Projetos > Oficina da Matemática



I
ntrodução     
A linguagem matemática, com o seu próprio código, é uma ferramenta fundamental que possibilita ao ser humano a estruturação de pensamentos, a descrição do mundo e a comunicação de ideias.
Um dos grandes desafios que a escola enfrenta é o de proporcionar aos alunos o domínio dessa ferramenta.
Por um lado, a Matemática continua a confrontar-se com o estigma da dificuldade, o que explica, pelo menos em parte, as baixas expectativas de muitos alunos e famílias.
Por outro lado, a matemática tem vindo a ganhar crescente importância no currículo como o demonstram as sucessivas reformas educativas das últimas décadas e, mais especificamente, com orientações oficiais dos últimos governos em Portugal.
Justifica-se, por isso, o desenvolvimento de um projeto – a que chamamos “Oficina da Matemática” – que possa contribuir para aumentar a motivação e o sucesso dos alunos dos 2.º e 3.º ciclos, indo desta forma ao encontro das prioridades do Projeto Educativo.




Objetivos do projeto  
A “Oficina de Matemática” tem como objetivo geral:
  • Aumentar o gosto e o sucesso em matemática.

E como objetivos específicos:
  • Possibilitar a utilização de materiais concretos e de tecnologia, auxiliando e contribuindo para a construção de aprendizagens significativas.
  • Proporcionar aos alunos que gostam de matemática a realização de atividades de crescente complexidade, disponibilizando para isso material e apoio adequado;
  • Desmistificar ideias erróneas em relação à Matemática;
  • Estimular o processo cognitivo dos alunos, sobretudo nos que demonstram mais dificuldades, através de uma maior contextualização dos conceitos Matemáticos e da sua aplicabilidade prática;
  • Desenvolver competências, capacidades e habilidades necessárias à aprendizagem da matemática;
  • Articular a ludicidade da Matemática com o despertar da curiosidade e o interesse pelo estudo de novos desafios cognitivos;
  • Proporcionar um espaço de troca de experiências entre alunos de diferentes turmas, escolas e regiões do país.




Público alvo
Alunos de Matemática do 2º ciclo e do 3º ciclo.




Desenvolvimento do projeto
a) A “Oficina de Matemática” deve dispor de um espaço próprio na escola-sede do agrupamento de modo a que seja possível:
  • Guardar os materiais já existentes e a adquirir, os quais devem estar disponíveis para os grupos de matemática do 2.º e 3.º ciclos;
  • O planeamento de atividades para todas as turmas, pelo menos uma vez por semana, que possam ter acesso a materiais manipulativos e a hardware e software informático que esteja ou venha a ser disponibilizado;
  • Ser um espaço de apoio ao estudo com a valências anteriormente referidas;
  • Ser um espaço de prática de jogos matemáticos para todos os alunos.

b) Apoio ao Estudo:
Um dos objetivos da “Oficina da Matemática” visa o apoio ao estudo. Os professores de matemática que virão a colaborar na “Oficina de Matemática” deverão entender-se como parceiros do aluno com dificuldades, ou seja, devem estar atentos aos processos de aprendizagem dos alunos, preocupando-se essencialmente com a identificação do erro e com a forma de o corrigir e lidar com ele. É fundamental mudar a posição do aluno e do professor perante o erro e transformá-lo em situações que possibilitam a aprendizagem, para que todos possam alcançar os objetivos propostos.
O professor deve, portanto, estimular o aluno a identificar os erros, criar condições favoráveis que levem os alunos a aproximar-se do conhecimento matemático, e, essencialmente, estimular o aluno a esclarecer as suas dúvidas.
Este trabalho será mais proveitoso se o grupo de alunos não for muito numeroso. Isto implicará que os professores deverão ter atenção às dificuldades dos alunos de forma a constituírem grupos que permitam uma maior dinâmica de aprendizagem. Ou seja, numa mesma turma, do grupo de alunos com dificuldades, podem ser criados subgrupos com um número mais reduzido e com características idênticas, sendo distribuído o tempo destinado ao apoio dessa turma pelos vários subgrupos.

c) Otimização do desempenho:
Ao mesmo tempo, a Oficina de Matemática deve apoiar os alunos que queiram aprofundar e ampliar outras competências que lhes permitam uma otimização do seu desempenho matemático. Nos tempos letivos em que não haja aulas no espaço da “Oficina de Matemática”, podem ser destacados professores que, por um lado, ajudem alunos que manifestem vontade de colmatar dificuldades específicas e momentâneas e, por outro lado, que apoiem alunos com interesse em participar nos campeonatos que irão ser dinamizados por esta oficina.

d) A “Oficina de Matemática” e o PAA:
As atividades a desenvolver no âmbito desta oficina têm por objetivo proporcionar aos alunos momentos em que a ludicidade da Matemática desperta o interesse por novos desafios cognitivos. Algumas dessas propostas são:
  • Dinamização de campeonatos ao nível da escola, tais como, SuperTmatik Cálculo Mental e Jogo do 24 para os alunos dos 5.º e 6.º anos;
  • Participação no Campeonato Internacional superTmatik Cálculo Mental;
  • Participação no Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos - Rastros, Avanço, Hex, Gatos & Cães, Produto e Semáforo – alunos do 2.º e 3.º ciclos;
  • Participação no Concurso Canguru Matemático sem Fronteiras – 2.º e 3.º ciclo.

O Jogo do 24 e o SuperTmatik Cálculo Mental fomentam o interesse pela prática do cálculo mental, desenvolvem destrezas numéricas de cálculo, reforçam a componente lúdica na aprendizagem da matemática e promovem o convívio entre alunos e professores. As atividades de cálculo mental pode ser uma ferramenta para desenvolver estratégias para efetuar operações sem o uso dos algoritmos estabelecidos, realizando estimativas e favorecendo a compreensão dos conhecimentos envolvidos no processo, apelando à organização, atenção, sistematização e a memória.
Por seu lado, os Jogos Matemáticos permitem desenvolver: a atenção, a concentração, a formulação de estratégias, a capacidade de tomar decisões, de superar limites, de raciocinar, de antecipar, de memorizar, de agir em conformidade com regras e tarefas pré-definidas, de compartilhar objetivos, de desejar aprender, de lidar com perdas e ganhos, compreender instruções e de ser criativo.




Recursos
  • Sala que permita a ocupação de uma turma completa;
  • Materiais, já existentes, atribuídos aos grupos de Matemática dos 2.º e 3.º ciclos;
  • Recursos informáticos.




Referências Bibliográficas
EDUATICA (s/d).
Campeonatos Supertmatik. Disponível em http://www.eudactica.com/competicao, acedido em 2 de julho de 2014.
LUDOS (s/d).
Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos. Disponível em http://ludicum.org/cnjm, acedido em 2 de julho de 2014.
UNIVERSIDADE DE COIMBRA (s/d).
Canguru Matemático sem Fronteiras. Disponível em http://www.mat.uc.pt/canguru/, acedido em 2 de julho de 2014.